sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Sem Fronteiras



Rumo as fronteiras
objetivado num subjuntivo
parti pelas vias
segui adiante


Por avistar proezas
nadei em teus rios
adentrei em teus campos
algo sem desafios


Na bonança de tuas brisas
eram palavras em meus ouvidos
vindos de ti como sonetos
na mais fina poesia
inebriei-me em teus encantos
numa busca que alcancei
onde juntos
cruzamos fronteiras.



leo durval

Um comentário:

Cilene disse...

percebi através de suas poesias"das poucas que vi" q és uma pessoa sensível, romântica, religiosa e sobretudo encantador!!!!!
Parabéns e sucesso!!!!